quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011


passarinho eu sou



pelas alvoradas


tenho o céu como morada


e a solidão do meu amor


não canto!


tenho só pranto


ao vê em minhas mãos


oferecendo só migalhas de um amor


não correspondido


e diz ao meu ouvido:


voa... mais volta


só não podes pousar criar morada


na minha vida.






Josinalda Lira

Um comentário:

  1. Vim tomar o Café e degustar a sua poesia!
    Bela união, café e poesia!

    ResponderExcluir